quarta-feira, 6 de julho de 2011

Vida festiva


Este fim-de-semana, de Norte a Sul, Portugal anima-se com a mudança para um mundo mais saudável, solidário e Humano.


Texto Dina Cristo

Montalegre recebe a oitava Manifesta, Festa e Feira de Desenvolvimento Local, centrada na economia solidária, social e sustentável. Uma espécie de Fórum Social Nacional, coordenado pela Animar, com exposição e debate de soluções inovadoras para um paradigma que coloca as pessoas em primeiro lugar. “Viver as utopias para construir realidades”, declarava Elza Pais, na qualidade de Presidente da Comissão para a Igualdade de Género, no encerramento da última edição, em Peniche, onde expressões como “terceiro sector”, “microcrédito”, “regionalização”, “sociedade civil organizada” ou “diversidade” estiveram presentes.
No Palácio de Cristal, no Porto, é a vez da sétima Feira Alternativa – a apresentação de novas ideias e soluções no âmbito da saúde, incluindo alimentação e medicina (natural), ou desenvolvimento (pessoal). A proposta das organizadoras, “Terra Alternativa” e “PazPazes”, é (vi)ver o mundo de outra maneira, mais ecológica, confiante e harmoniosa. Entre conferências, aulas, ateliers e a presença das mais diversas expressões artísticas, está programado, no Domingo, pelas 15h, uma meditação pela paz e abundância na Terra, cuja receita reverterá a favor de instituições de solidariedade social da cidade invicta.
Em Tomar tem lugar a Festa dos Tabuleiros, em honra do Divino Espírito Santo. A coincidir, ainda, com a Festa, em Coimbra, da Rainha Santa Isabel, promotora do culto em Portugal, a cidade dos Templários mantém a tradição e fé na terceira pessoa da Santíssima Trindade, correspondente a Shiva, o destruidor hindu. Depois da Era do Pai, Criador, (antigo testamento) e da Era do Filho, Conservador (novo testamento), da Era de Peixes, eis a chegada à Era do Espírito Santo, Destruidor - Era de Aquário.
Os festejos antecipam, desde há séculos, essa Nova Era de Ouro, de pureza, representada no cortejo pelas meninas, de solidariedade, simbolizada no bodo, onde toda e qualquer pessoa é convidada a sentar-se confraternalmente à mesma mesa. Simbolizado na pomba da paz ou nas línguas de fogo purificador, celebradas no Pentecostes, o Espírito Santo, Transformador por excelência, também Consolador, corresponde igualmente a Maria, a mãe, a matéria, daí o retorno ao Feminino, e à Mente Superior, ao regresso do “Encoberto”, ao reaparecimento de Cristo, à Intuição, numa anunciação do Quinto Império. Em causa uma nova cultura: do ser, interesse colectivo, desapego e partilha; de amor, alegria, liberdade e abundância; de simplicidade, compreensão e felicidade.

Etiquetas: , ,